domingo, 19 de setembro de 2010

Visão.


Cada ser humano nasce único e traz em si sinais desta identidade individual. As impressões digitais são as marcas mais evidentes que conhecemos desta característica pessoal. O nome dado por nossos pais, ainda que seja o mesmo de outras pessoas, também nos identifica individualmente. Mas, há outro sinal que é parte integrante da característica pessoal e que, apesar de só aparecer mais tarde, é intransferível e já nasce com cada um de nós: o talento.
Deus dá talentos a todos e cabe a cada um identificar o seu, desenvolvê-lo e utilizá-lo. Muitas pessoas cometem o engano de não levar em conta o talento no momento de escolher a profissão que pretendem seguir para o resto da vida. Parece óbvio que se deve optar por fazer algo de que se goste ou para o qual se leve jeito, mas, infelizmente, grande parte das pessoas tem levado em consideração outros valores na hora de escolher que caminho trilhar.
Compensação financeira e ascensão social têm sido as metas objetivadas por muitos jovens quando escolhem a carreira que vão seguir, mas eles se esquecem, ou não levam em consideração, que estes fatores são apenas o resultado de um trabalho realizado com qualidade, e só é possível fazer bem algo para o qual temos aptidão. Dinheiro e sucesso são consequência e não causa. A causa é o talento.
O talentoso tem o amor como combustível de suas realizações. Seu prazer é esmerar-se na qualidade do que faz; a realização pessoal do resultado alcançado o completa. A compensação financeira é apenas uma consequência.
O noticiário está repleto de casos de erros médicos que destroem vidas; falhas de engenharia que comprometem construções grandiosas; ações de advogados que promovem a injustiça, e uma infinidade de outros exemplos de tragédias protagonizadas por pessoas que escolheram uma profissão visando o lucro que poderiam ter, mas sem o menor talento para exercê-las.
Os que sufocam um talento, rejeitam um dom de Deus. Ainda que consigam o tão almejado sucesso financeiro, invariavelmente adquirem uma frustração permanente. São pessoas de bolsos prósperos e almas insatisfeitas. Muitos se acomodam nesta condição, até porque a sociedade nos ensina a grande mentira de que trabalho não pode ser sinônimo de prazer, e que fazer o que não gostamos é o preço que se paga para conquistarmos algo na vida.
A oração de quem conhece o talento que tem, não deve ser no sentido de perguntar se aquilo é da vontade de Deus para sua vida. Deus não nos daria uma aptidão se não quisesse que a usássemos. O que devemos pedir é que o Espírito Santo nos guie para usarmos nossos talentos de forma que Deus seja glorificado nesta ação. Se alguém não tem claro para si qual é o talento que Deus lhe deu, deve buscar isso em oração, fazendo uma parceria com o Senhor, que nos dá o discernimento para descobrir o dom de cada um. O talento usado sem a direção do Espírito Santo também pode nos levar à ruína espiritual e material.
Por ser uma dádiva Divina, o talento á algo com o qual temos que lidar na esfera espiritual. Tendo isso como meta, estaremos buscando o Reino de Deus em primeiro lugar, e tudo o mais nos será acrescentado (Lucas 12:31).

Fonte: Blog do Bispo Macedo

Um comentário:

princesas-de-deus disse...

Desde pequena, sempre tive talento para artesanato. Não é o tipo de profissão que se tem um grande retorno financeiro, mas é muito prazeroso quando termino um bordado de ponto cruz e o coloca a venda e as pessoas reconhecem o talento que tenho, talento esse dado por Deus!^^

Genilda Silva