Subscribe:

Ads 468x60px

Featured Posts

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Casal morre com 40 minutos de diferença após 65 anos de união.

Leia essa história e reflita sobre como você tem conduzido a sua vida amorosa.



A história que você conhecerá a seguir estampou os noticiários nos últimos dias. Contudo, não foi a primeira, nem será a última. Também não é mais um belo romance de Nicholas Sparks, como o famoso clássico “Diário de uma Paixão”, que conta a história de Noah e Allie e arranca lágrimas até dos menos românticos.
É, na verdade, o encerramento de uma linda e real história de amor, repleta de cumplicidade, romance, bondade e comprometimento, e que fez jus à velha frase final de toda cerimônia de casamento: “Até que a morte os separe!”
Casados por 65 anos, Italvino Possa, que tinha 89 anos, e Diva Alves de Oliveira Possa, 80 (os dois na foto acima), morreram no mesmo hospital no último dia 3 de outubro, com 40 minutos de diferença.
Ele sofria de leucemia desde o ano passado e já vinha enfrentando problemas de saúde nos últimos tempos. Ela se tratava de um câncer na bexiga. Como no hospital todos já conheciam a história do casal, os dois estavam internados no mesmo quarto, lado a lado.
Segundo um dos netos, Diva estava internada desde o mês de abril, mas, no dia 1º de outubro último, parou de falar. O marido foi vê-la e ficou extremamente triste. Chegou em casa e passou mal, sendo internado no dia 3 ao lado da sua amada e de mãos dadas (foto abaixo).
Na tarde desse mesmo dia, ele passou mal novamente, foi socorrido e faleceu em outra ala. Como Diva estava em coma, um dos familiares falou ao ouvido dela sobre a morte do marido; 40 minutos depois, ela faleceu também.
Uma vida repleta de amor
Italvino e Diva se casaram no ano de 1949, na cidade de Marau, interior do Rio Grande do Sul. Tempos depois, se mudaram para a capital, Porto Alegre. Formaram uma grande família. Criaram dez filhos e viram nascer 14 netos e 6 bisnetos. Um privilégio para poucos nos últimos tempos.
Eles não se largavam e mantiveram o romantismo por mais de 6 décadas. Diva era frequentemente presenteada pelo marido em datas especiais, como o aniversário de casamento.
De acordo com a família, nada mais justo do que os dois falecerem praticamente ao mesmo tempo. De tão companheiros, eles jamais conseguiriam viver um longe do outro. Na ausência de um, o outro – certamente – padeceria.
Eles foram enterrados juntos no Cemitério Municipal de Alvorada, na Região Metropolitana de Porto Alegre.
Reflexão
Essa história da vida real nos deixa uma reflexão: Será que temos realmente assumido o compromisso de um casamento, vivendo com nosso cônjuge em todas as situações e amando verdadeiramente, com respeito e cumplicidade?
Caso tenha interesse em saber como conduzir a sua vida amorosa, participe, todas as quintas-feiras (às 10 ou às 20 horas), da Terapia do Amor, no Templo de Salomão, à Avenida Celso Garcia, 605, no Brás (zona leste de São Paulo). No encontro, os palestrantes Renato e Cristiane Cardoso conversam, aconselham e dão dicas de como você deve se comportar no relacionamento ou enquanto espera pela pessoa amada.

 Fonte: universal.org

domingo, 26 de julho de 2015

Devo namorar com quem não quer se casar?

Fique atento se você é a única pessoa do relacionamento que está à espera do grande dia.



A cantora norte-americana Mariah Carey aceitou o pedido de casamento do ator Nick Cannon com apenas 1 mês de relacionamento. Já Kim Sears, a namorada do tenista britânico Andy Murray, esperou 8 anos pela proposta.
Não há como descobrir quando vai chegar a sua vez, mas se você é a única pessoa do seu relacionamento que está totalmente à espera desse dia, é preciso saber qual lugar está ocupando. Analise se não está sendo o “passatempo” de alguém, enquanto o “grande amor” do outro ainda não apareceu.
É preciso saber claramente o motivo que faz o outro, mesmo dizendo amar, não ter nenhuma intenção de tornar a relação mais séria.
Conheça 6 questões que devem ser respondidas para saber quais são as verdadeiras intenções do seu parceiro:
1 – Qual é o histórico dos relacionamentos anteriores?
A desculpa mais frequente é: “Eu não acredito na instituição casamento. Isso é apenas um pedaço de papel.” Muitos, baseados em experiências de relacionamentos fracassados anteriormente, acreditam que repetirão os mesmos erros.
O medo deles não é sobre o casamento, propriamente dito, mas de que o final se transforme em uma verdadeira bagunça, culminando em um doloroso divórcio.
Se o seu parceiro se recusa até mesmo a tocar no assunto casamento, isso mostra diferentes pontos de interesse entre vocês, o que não é um grande indicador para uma relação saudável e, supostamente, para a vida inteira.

2 – Ele ou ela consegue explicar o motivo de não ter interesse em se casar?
Existe uma barreira muito grande se a resposta para o “por que você não quer se casar comigo?” for “eu não sei”.
Ou a pessoa está evitando dizer a verdade ou não quer realmente se casar com você e não consegue expressar isso. Normalmente é uma das duas opções.

3 – Vocês estão enfrentando problemas com a ideia de realizar a cerimônia?
Uma das duas pessoas pode ser extremamente tímida e não consegue se imaginar fazendo algum discurso na frente de dezenas de convidados, por exemplo.
Ou algum dos dois pode estar numa fase financeira difícil e tem vergonha de assumir. Homens, em particular, só conseguem focar no casamento quando se sentem financeiramente seguros.
Veja se não há algo errado com a questão da cerimônia em si.

4 – Vocês estão preocupados que o casamento no papel passado possa “arruinar” o relacionamento?
“Porque mexer no que está quieto?” Alguns acreditam que podem ser “felizes para sempre” só morando juntos. Alguns exemplos de casais que estiveram juntos por anos, mas quando decidiram assinar os papéis se separaram poucos meses depois, podem assustar.
Ver os outros falharem pode ser um motivo para desistir.
Mas normalmente isso acontece porque o relacionamento já estava fadado ao fracasso e o casal decidiu subir ao altar como uma tentativa de salvá-lo, dado a tudo o que construíram juntos.
 
5 – Por que o casamento é importante para você?
Não esqueça que essa é a razão que move você em direção ao seu sonho. Existem muitas razões para dizer “sim”. Ser honesto com você mesmo é o que fará você descobrir por que quer tanto se casar.

Analise:
- Você quer se casar por razões morais ou religiosas?
- Você tem ciúmes e acredita que essa será uma maneira de limitar o seu parceiro somente a você?
- Vocês querem se casar porque todos os seus amigos o fizeram e vocês não querem ficar para trás?
- Você quer mostrar para o seu ex que conseguiu superá-lo?
- Ou tudo o que você quer é ter uma grande festa para mostrar a todos os seus amigos e familiares?
- Quão saudável é a sua união? A pior razão de todas para se casar é pensar que irá consertar a pessoa errada para você.

6 – Por que você está querendo se casar tão rápido?
Se vocês estão juntos há menos de 6 meses ainda é hora de esperar e analisar direitinho. Com certeza existem exceções de namoros breves que se tornaram casamentos duradouros e de muita felicidade, mas fique atento.
De acordo com o jornal britânico Daily Mail, a maioria das pesquisas sobre felicidade no matrimônio sugere que casais que namoram 1 ano e meio antes do noivado e esperam mais 1 ano até o casamento têm melhores chances de permanecer casados.
Mesmo existindo o tal “amor à primeira vista”, não seria ainda mais romântico esperar para ter mais sucesso no casamento?
Você pode ter um direcionamento para a sua vida sentimental participando das palestras da Terapia do Amor, que acontecem todas as quintas. Clique aqui para saber o endereço de uma Universal mais perto de você.
Se você está em um relacionamento assim, em que o parceiro não fala em casamento, ou conseguiu sair de uma situação dessas, compartilhe a sua história nos comentários.

 Fonte: universal.org

quinta-feira, 23 de julho de 2015

5 dicas para identificar um homem sem atitude.

E se você já está num relacionamento com alguém assim, saia antes que perca mais tempo.



É inegável que aquele rapaz chamou sua atenção. Talvez você o observe há algumas semanas, meses ou até anos. Enfim, na sua mente ele é um candidato em potencial a ser seu esposo. Vocês professam a mesma fé, ele é inteligente, bonito e vocês combinam até na idade. Aparentemente, ele tem todas as qualidades que você busca. Porém, será que ele tem atitude? Há muito tempo as mulheres perdem tempo ao esperar alguma reação dos homens.
Quanto tempo a mulher deve esperar até que um homem a convide para sair antes que ela desista dele e siga em frente?
Veja 5 atitudes que irão lhe ajudar a responder essa questão:

1.    Cuide do seu tempo, ele é precioso
“Nós temos sido amigos por anos, como vou saber se ele tem sentimentos por mim?” Muitas mulheres estão decepcionadas em seus relacionamentos. Será que não é hora de parar de reclamar e fazer algo para mudar isso? Talvez você não acredite que homens bons existam e, por causa disso, acabe se envolvendo com os que não a tratam adequadamente. Assuma a responsabilidade do seu relacionamento investindo em pessoas que valorizam seu precioso tempo.

2.    Não concorde em dar muito e receber pouco
Na maioria dos casos, a mulher sempre dá mais de si do que os homens em um relacionamento. Mas, em partes, isso também é o reflexo do tipo de relacionamento que as mulheres estão propondo para elas mesmas.
O primeiro passo é se conscientizar de que se alguém está dando menos de si, por que perder tempo tentando convencê-lo a dar mais?

3.    Pare de justificá-lo
Existem muitas mulheres cristãs conservadoras que acreditam que devem apenas esperar pacientemente, deixando os homens agirem a seu tempo, mas sem saber ao certo qual é o nível de interesse dele. E se ele apenas a olha como uma mulher comum na igreja?
As mulheres não estão apenas esperando, mas criando desculpas para o homem que não tem atitude: “talvez ele seja tímido demais”; “talvez ele não queira me magoar”; “talvez ele esteja intimidado por mim”. Com todas essas desculpas, as mulheres esperam, esperam e esperam. E o que sobra é um monte de lindas, inteligentes e maravilhosas mulheres que estão somente aguardando por um homem para passarem a vida juntos.

4.    Assuma a responsabilidade
Como mulher, você deve se posicionar e assumir a responsabilidade baseada nas suas escolhas. Antes que você se envolva emocionalmente com alguém, procure saber quais são as verdadeiras intenções dele. Não deixe de perguntar se algo não estiver totalmente claro para você: “A nossa amizade está se parecendo com um namoro?”; “O que você realmente tem em mente?” Não se deixe levar cegamente, sem saber o que está por vir. Não ouse esperar pelos próximos meses (ou mesmo anos) se perguntando o que se passa na cabeça dele. Proteja o seu coração de se magoar, isso é exatamente o que Deus ensina.

5.    Tenha atitude
O autor do best-seller  “Casamento Blindado”, Renato Cardoso, explica em seu blog quais são as “burrices” cometidas pelas mulheres no amor. E, mais uma vez, esperar que somente o homem tome uma atitude é uma delas.
Você pode aprender mais participando da Terapia do Amor, que acontece todas as quintas-feiras. Uma reunião especial com aconselhamentos direcionados para a vida amorosa. Clique aqui para mais informações.

 Fonte: universal.org

 

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Deus está à frente no seu relacionamento?

Foto de casal em oração antes da cerimônia de casamento viraliza na web e traz uma grande lição.



Foi pela sensibilidade do fotógrafo Dwyane Schmidt que o mundo viu a melhor foto do álbum de casamento de Caleb Earwood, de 21 anos, e Maggie, de 22. O momento em que o casal apareceu de mãos dadas em oração, colocados cada um de um lado de uma parede, para não quebrar a tradição de a noiva não ser vista pelo noivo antes de entrar na igreja, viralizou na internet após o próprio fotógrafo postar em sua página no Facebook. “Eu tive sorte de testemunhar e capturar uma cena tão comovente como essa. Eu tenho sido sortudo ao fotografar vários casamentos, mas desse momento eu jamais me esquecerei”, afirmou Dwyane em seu website.
O noivo, um fuzileiro naval dos Estados Unidos (EUA), queria um momento a sós com a sua futura esposa, Maggie, para juntos orarem antes de a cerimônia começar, em Asheville, na Carolina do Norte, EUA. “Nós estávamos perto de dar o nosso primeiro passo juntos na vida e não queríamos fazer isso sem começar com a vontade de Deus”, contou Caleb ao site Today.
Caleb foi até o quarto onde Maggie se arrumava, com muito cuidado para não vê-la. "Eles me esconderam em uma sala, ele subiu as escadas, estendeu a mão e eu a segurei", disse Maggie, que não conteve as lágrimas. “Quando eu segurei as mãos dele, percebi que estavam tremendo muito, então percebi que ele estava realmente nervoso. Isso me tocou muito ao saber que nós sentimos a mesma coisa por Deus.”
O jovem orou pelo casamento, pedindo a Deus que a sua união fosse forte o suficiente para servir de exemplo a outros jovens casais. “Eu pedi a Deus pela minha linda e inteligente esposa, que Ele me abençoasse com ela e a maravilhosa família que eu estava começando.”
“Essa é a melhor maneira de começar uma jornada juntos”, disse um dos muitos comentários sobre a foto.
Como ter um relacionamento feliz?
Será que Deus também está à frente no seu relacionamento, a exemplo dessa história?
Quando Deus é o primeiro, antes de um casal se tornar uma só carne, por mais que existam lutas, eles crescem juntos em todos os sentidos.
“Quando vocês estão próximos de Deus, vocês estarão mais próximos um do outro. Essa é a base para um relacionamento feliz”, explica o apresentador do programa The Love School, Renato Cardoso, no vídeo abaixo.
Assista ao vídeo para saber quais são os 21 mandamentos para um relacionamento feliz:
Se você enfrenta problemas em sua vida sentimental, conheça a Terapia do Amor, uma reunião especial que acontece todas as quintas-feiras na Universal. Clique aqui para saber mais.
E para você, Deus está à frente no seu relacionamento?

Fonte: universal.org

domingo, 12 de julho de 2015

8 tipos de mulher com quem um homem cristão não deve se casar.

Saiba como detectar coisas que poderão prejudicar o seu futuro.


Você não está escolhendo em qual empresa irá construir a sua carreira ou em que lugar irá passar as férias. Muito menos a universidade na qual irá se formar. A escolha de quem irá acompanhar você no futuro é delicada e pode sim ser complicada, caso tome a decisão errada.
Cada mulher tem sua particularidade e nenhuma vem com um “manual” de como saber lidar com ela. Então, a opção mais segura para os homens é saber detectar, de preferência logo no início da amizade ou relacionamento, qual é o tipo de mulher com quem está se relacionando, para não ter nenhuma surpresa desagradável no futuro.
O escritor e jornalista norte-americano J. Lee Grady analisou 8 tipos de mulher com quem um homem cristão não deve ser casar. Veja quais são:
1º - A incrédula
Se casar com uma pessoa que segue uma fé diferente da sua poderá lhe trazer problemas no futuro. A Palavra de Deus alerta: “Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniquidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas?” 2 Coríntios 6.14
O casamento é a segunda decisão mais importante na vida de um cristão (a primeira é a vida com Deus). Não ignore o que é óbvio. Você, homem, precisa de uma esposa que ame Jesus mais do que a você. Maturidade espiritual deve estar no topo da lista das qualidades que você deseja em uma mulher.
2º - A materialista
Existem mulheres que já estão acostumadas a um padrão econômico superior ao que o homem tem. Em alguns casos, dificilmente ela irá abrir mão sem ter objeções. Fique atento para ver se o dinheiro ocupa o primeiro lugar da lista pessoal dela. Outras mulheres levam os homens a se apertarem economicamente só para satisfazer suas expectativas. A não ser que você queira viver endividado para sempre, não se case com uma garota que tenha cifrões em seus olhos e oito cartões de crédito em sua bolsa.
3º A diva
Alguns machistas adoram agir como se fossem superiores às mulheres. Uma “diva” é a versão feminina desse pesadelo. Ela acredita que o mundo gira ao seu redor e não pensa duas vezes antes de magoar alguém para provar que está no comando. Uma “diva” vive estalando os dedos exigindo coisas irracionais. Algumas dessas mulheres podem até ter um título na Igreja, mas não se engane com o papo “super espiritual” que demonstram ter. Verdadeiros líderes são humildes. Se você não vê humildade na mulher com quem está namorando, se afaste dela e continue buscando uma melhor.
4º A Dalila
Sansão foi ungido por Deus com uma força de “super-homem”, literalmente, mas perdeu seus poderes quando uma mulher sedutora descobriu seus segredos e o levou ao corte de cabelo mais famoso do mundo. Assim como Dalila, uma mulher que não submete a sua sexualidade a Deus irá cegar você com o charme dela, além de partir o seu coração e tentar roubar a sua unção. Se uma mulher que se diz cristã se veste provocativamente, flerta com outros homens, posta comentários inapropriados no Facebook ou concorda com sexo antes do casamento, fuja desse relacionamento antes que você caia em sua armadilha.
 5º A rixosa
A Bíblia afirma que “Melhor é morar no canto do eirado do que junto com a mulher rixosa na mesma casa.” Provérbios 25.24
Uma mulher rixosa é aquela que guarda ressentimentos e não consegue se livrar deles. Se você está se relacionando com uma mulher coberta de raiva, que não consegue perdoar os outros, a vida de vocês será arruinada pelo ódio, pela mágoa, batidas de portas e drama sem fim.  Insista na libertação dela antes de qualquer passo mais sério na relação.
6º - A controladora
O casamento é uma parceria, em que cada um faz a sua parte com submissão e respeito. Para isso o casal precisa ter em mente que os dois estão juntos nessa “missão” de fazer o relacionamento dar certo. Conforme Efésios 5.21: “sujeitando-vos uns aos outros no temor de Cristo.” Assim como alguns rapazes pensam que podem levar o casamento como se fosse uma “ditadura”, algumas mulheres tentam manipular algumas decisões à sua própria maneira.  Você não quer esperar ter duas semanas de casado para descobrir que a sua esposa não confia em você e irá tomar a frente de tudo, não é mesmo?
7º - A filha da mamãe
É até normal para a mulher recém-casada ligar para a mãe regularmente para pedir algum suporte ou conselho. Porém, não é comum ligar cinco vezes por dia e contar todos os detalhes do casamento, inclusive da vida sexual de vocês. Existem mulheres (e homens também) que autorizam os pais a ter o controle da vida a dois. No início de tudo, Deus aconselhou os casais: “Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne.” Gênesis 2.24
Se a sua namorada não está disposta a cortar o “cordão umbilical”, mantenha os olhos abertos nesse relacionamento.
8º A viciada
Algumas pessoas na Igreja ainda carregam vários tipos de vícios ou maus hábitos, como compulsão por álcool, drogas, medicamentos ou pornografia. Deus pode libertar de tudo isso, mas você não quer esperar estar casado para perceber que a sua esposa não consegue ficar sóbria. Vocês podem até se casar futuramente, mas não tenha ansiedade de dar nenhum passo enquanto não tiverem combatido seriamente os vícios.
O melhor caminho para fazer a escolha certa é quando um homem consegue olhar além das aparências. Obviamente, é preciso que haja química e interesse mútuo, mas o caráter da mulher diante de Deus precisa ser analisado antes de tudo.
“Enganosa é a graça, e vã, a formosura, mas a mulher que teme ao SENHOR, essa será louvada.” Provérbios 31.30
Você, homem, já teve alguma experiência com esse tipo de mulher? Compartilhe suas experiências conosco nos comentários.

 Fonte: Universal.org

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Meu marido terminou comigo inesperadamente. O que deu errado?

A escola do amor responde.

O cotidiano de muitos casais é cheio de brigas e desentendimentos. Parece um padrão que se repete e vai servindo de exemplo para os demais, que passam a acreditar que isso é algo normal no casamento. Os problemas são relevados e esquecidos, até que se tornam maiores e aí pode ser tarde demais. Outro problema grave é o vício em pornografia, que também é abordado nesta edição de A Escola do Amor Responde. O casal Renato e Cristiane Cardoso respondem às dúvidas de Lourane e Deuse.
Lourane – Fomos amigos por nove anos e estou casada há um ano. Tínhamos um casamento normal, não brigávamos, só discutíamos por causa da parte financeira. Só que, ultimamente, a gente tem se afastado, a relação esfriou e conversamos cada vez menos. Até que um dia, sem mais nem menos, ele falou que não queria mais o casamento. Disse que ia embora e foi. Já faz três semanas. Ele está irredutível, só quer saber de curtir, de bagunçar e das suas amizades. Esse não é o meu marido. Eu quero lutar pelo meu casamento, mas estou sozinha e sem forças.
Renato – É interessante como as pessoas, às vezes, não enxergam que há problemas no casamento. Só quando o rojão explode é que elas percebem. Elas acham que as discussões e as discórdias constantes são normais no casamento. Elas não veem que, com o passar do tempo, os problemas criam raízes e ficam fora de controle, comprometendo o casamento.
Cristiane – Essas pessoas têm como referência casamentos em que a briga era algo comum. Muitas pessoas acham normal, pois viram os pais brigando e veem outros casais fazendo o mesmo. É normal quando você briga, discute e resolve. Mas, quando você briga, discute, nada é resolvido e aquele problema persiste e a briga acontece novamente pela mesma questão, não é normal. Você tem um problema. Não fique pensando que casamento é isso, que é uma sociedade com um problema eterno em que se vive brigando pelo resto da vida. Não é isso. Casamento não é assim.
Renato – Se você vive dessa forma, isso serve de alerta para que você faça algo para mudar seu casamento. Vocês discutem, o tempo passa e o problema volta. Acontecia comigo e com a Cristiane. Tínhamos um problema recorrente, discutíamos, passava o tempo e o problema voltava. Assim foram se passando 12 anos e o problema foi piorando e desgastando o relacionamento. Não é porque vocês brigam, depois fazem as pazes e os dias melhoraram que o problema foi resolvido. Vocês não resolveram nada. Se você tem um problema recorrente no seu casamento, seja qual for, seja de dinheiro, seja de sexo, de ciúme, não resolveu o que realmente é necessário. Existe uma raiz que precisa ser arrancada. Vocês precisam buscar ajuda. No livro Casamento Blindado, nós falamos sobre como resolver a raiz do problema.
Cristiane – Veja que você está casada há um ano. Vocês ainda deveriam estar em lua de mel, aproveitando para se conhecer mais. Por causa desse problema que não foi resolvido, vocês começaram a esfriar um com o outro. Você já não tinha um casamento normal. Talvez, vocês nunca estiveram bem. Agora, estão vendo a consequência de não resolver um problema. Quando a pessoa pensa que um problema vai ser resolvido com o tempo, está se enganando. É como se estivesse planejando algo pior lá na frente. Você vai levando, levando, até que, do nada, tudo muda. Na verdade, não aconteceu do nada. Você tem que ter forças, pois, se quer lutar pelo seu casamento, assim como o conquistou há um ano, tem que mudar essa mentalidade. Pare de ficar com pena de si mesma. Pare de se fazer de vítima e vá à luta! Não é permanecendo como está que você vai conquistar algo.
Deuse – Meu namorado gosta muito de ver filmes eróticos e acha isso normal. Eu não curto e acho totalmente errado. Ontem, estava contando sobre um sonho que teve comigo e mais outra pessoa. Meus olhos se encheram de lágrimas. Ele diz que não consegue se controlar quando o assunto é sexo. O que eu faço?
Cristiane – Termine com esse rapaz imediatamente. Se ele não consegue se controlar, provavelmente, vai trair você mais cedo ou mais tarde.
Renato – Ele não vê isso como um problema e está tentando trazer você para esse estilo de vida. Não tenha dúvida. Quando ele contou esse sonho para você, o que acha que ele estava fazendo? Você acha que ele estava pedindo ajuda? Simplesmente fazendo um comentário inocente? Não. Ele estava querendo plantar na sua cabeça aquela ideia, aquele sonho que ele teve. É um desejo, um sonho que ele tem de fazer aquilo que ele vê na pornografia. Como a Cristiane disse, é simples e direto: se, como solteiro, esse rapaz não sabe se controlar quando o assunto é sexo, ele não vai se controlar quando for casado. Se você não quiser um problema para a sua vida, por mais que goste dele, termine. Se ele insistir para que você não termine, então exija que ele se resolva e se livre desse vício. Se você não adotar esse padrão agora, ele vai lhe impor isso, mesmo depois de casado.
Cristiane – Ele deve procurar ajuda, como se fosse viciado em drogas. Muitos homens acham que se trata de algo normal e não é. É um vício que faz mal tanto para o relacionamento quanto para ele.
Renato – É um vício. Além dos nossos conselhos, vá procurar mais informações. Você, homem, que está viciado em masturbação, não creia só na minha palavra, consulte um especialista que trate de vício em sexo e você descobrirá que um novo fenômeno que vem proliferando, por causa da pornografia, é a disfunção erétil, a impotência masculina. A propaganda desses filmes divulga que a pessoa vai apimentar a relação, que vai aprender truques sexuais para conquistar mulheres, mas a realidade é que aqueles que se viciam na pornografia desenvolvem a impotência e não conseguem mais alcançar o desempenho sexual com uma mulher real e só se estimulam com a pornografia. Se você quiser continuar nesse caminho, boa sorte! Não diga que não foi avisado.

domingo, 5 de julho de 2015

Somos muito diferentes. Será que pode dar certo?

Aprenda a usar as diferenças entre vocês e torná-las aliadas.


Um gosta de preto e o outro de branco, um prefere a noite e o outro o dia, um gosta de sair e o outro prefere ficar em casa. É possível que um casal que contraste tanto consiga ter um bom relacionamento? Depende. É essencial entender que nenhum ser humano é igual. Talvez o começo do casamento acentue ainda mais isso até chegar ao ponto de você se perguntar: “por que me casei com alguém tão diferente de mim? Isso nunca vai dar certo”.
Mas, calma. Existem diferenças e diferenças. Algumas podem até ser benéficas para o casamento, já que forçam um dos dois lados a sair da zona de conforto. É o que explica o psicólogo Vitor Barros Rego, mestre em psicologia social. “As diferenças costumam gerar pontos de vistas variados, mas isso não quer dizer antagônicos, contrários um ao outro. A diferença, no seu lado positivo, nos beneficia com a possibilidade de nos vermos de outra maneira e também de sentirmos sensações novas”, explica.
Como assim sensações novas? É fácil de entender. Se você se casar com alguém muito parecido com você, os dois irão padecer de tédio cedo ou tarde. Sempre frequentarão os mesmos lugares, farão os mesmos programas, comerão os mesmos pratos. Mas e se você conhecer alguém que quebre a sua rotina e mostre outros lados da vida? Uma relação tende a se fortalecer ainda mais quando um acrescenta algo à vida do outro.
E o que fazer quando as diferenças não são tão simples assim? Para o psicólogo, é necessário discutir tudo antes de levar o compromisso adiante. “Existem diferenças mais drásticas, como valores a serem cultivados na vida. ‘Fingir’ que elas sumirão com o casamento pode ser uma cilada causadora de sofrimento. Ou você ficaria comendo a mesma comida ruim na esperança de algum dia o cozinheiro fazê-la do seu gosto?”, questiona.
Para a farmacêutica Gabrielli Tonon, de 30 anos, não há dúvidas quanto às diferenças que devem ser levadas em conta ou não dentro do seu relacionamento com o professor Adriano Rodrigues Duarte, de 37 anos. Ela conta que, quando eles se conheceram, percebeu que os dois não tinham nada a ver: ela gosta de um tipo de alimentação mais saudável e ele de fast-food. Ela gosta de viajar e de sair e ele é caseiro. Ela é do interior e ele da cidade grande. Mesmo assim, Gabrielli enxergou algo nele que a convenceu de que o relacionamento dos dois daria certo. “Eu vi que ele era muito gentil, me respeitava muito e me tratava bem”, relata.
Se mesmo com as diferenças os dois se apaixonaram, o casal aprendeu a conviver com elas para que, no casamento, elas se transformassem em aliadas. “É um exercício diário, cada um precisa saber ceder”, diz Gabrielli, que garante que “para o que realmente importa não temos diferenças, somos iguais, temos os mesmos valores de vida, queremos construir uma família em cima do que acreditamos, com respeito, companheirismo, tolerância e amor”, diz.
Toda união é uma escolha e sempre implica em saber abrir mão de algo, assim como Gabrielli e Adriano fazem. “Com as diferenças, aprendemos a viver um pouco do modo do outro. Ouvimos MPB, que eu gosto, enquanto comemos pizza ou sanduíche que ele gosta. Em outra ocasião ele vai comigo a um restaurante vegetariano”, revela Gabrielli.
Para o psicólogo, é preciso estar consciente de que os dois, homem e mulher, precisam estar preparados para ceder de vez em quando. “A pessoa precisa saber que terá que renunciar pelo bem da união. E que essa união tem uma espécie de contrato implícito, que deve ser reconfigurado várias vezes ao longo da convivência. Lembrando que um contrato tem que ser assinado pelas duas partes, em comum acordo, e não de maneira unilateral, sem que a outra parte saiba”, finaliza o profissional.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Você gostaria de saber em que dia irá morrer?

Uma calculadora inventada nos Estados Unidos promete dizer quantos dias de vida você ainda tem.


A palavra “morte” sempre gerou uma grande curiosidade na humanidade. Todos sabem que um dia irão morrer, mas ninguém sabe quando ou como isso irá acontecer. Por isso, muitos se questionam sobre o que será que ocorre quando morremos, ou se realmente existe vida após a morte.
O geriatra Thomas Perls, professor de medicina na Universidade de Boston, nos Estados Unidos, inventou uma calculadora que indica a expectativa de vida aproximada das pessoas. Para saber quando você deixará essa vida, é preciso responder a um questionário com 40 perguntas sobre a sua rotina e ver o resultado. 
Mas será que “saber” o dia da morte é mesmo o mais importante? Ou será que o melhor é garantir para onde vai a sua alma?
O Senhor Jesus garante Vida Eterna àqueles que ouvem e obedecem à Sua voz:
“Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a Minha palavra e crê nAquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida.”João 5:24
Se você tem dúvidas sobre o destino da sua alma, independentemente de quando irá morrer, todas as quartas-feiras acontece, na Universal, a Noite da Salvação. Uma reunião que traz importantes ensinamentos sobre como proceder para alcançar a Salvação. Os horários das reuniões podem variar de um lugar a outro. Acesse www.universal.org/enderecos e encontre uma Universal mais próxima de você para participar.
Se você está angustiado com a sua vida, fale agora mesmo com um Pastor Online. Você será atendido e orientado.

domingo, 28 de junho de 2015

Você é rejeitado pelas pessoas por ser cristão?


quinta-feira, 25 de junho de 2015

Você sabe o que está por trás do Desafio Charlie Charlie?

O que essas “brincadeiras inocentes” têm feito na vida das pessoas e por que jovens correm riscos após participar deste jogo.

Você já foi convidado por alguém para participar das famosas “brincadeiras de invocar espíritos”, como a do copo, a do compasso ou a de chamar a loira macabra do banheiro? Eu já e me lembro como se fosse hoje. Tinha dez anos e meus colegas diziam que existia uma forma de obter respostas para nossas dúvidas por meio do mundo “espiritual”.
Como meu sobrenome era “curiosidade”, aceitei participar. Realmente vi o copo balançar e o compasso se mexer. Só não vi a loira do banheiro. O que eu ganhei com isso? Anos de insônia, medo do escuro e até de ficar sozinha em casa. Meus pais sofreram porque tiveram de me aguentar dormindo entre eles várias noites.
Os anos passam e as brincadeiras apenas ganharam novos nomes. Recentemente, a novidade que ganhou destaque na internet foi o Desafio Charlie Charlie. Pessoas do mundo inteiro mostram em publicações nas redes sociais a experiência. Elas colocam dois lápis cruzados sobre uma folha de papel em que escrevem as palavras “sim” e “não”. Em seguida chamam um espírito que seria mexicano – o tal do Charlie – para responder às perguntas.
O curioso é que aqui no Brasil crianças e adolescentes têm passado muito mal com este “desafio”. Em Manaus, por exemplo, adolescentes de cinco escolas foram parar no hospital após invocar o espírito Charlie. Vômitos e desmaios fizeram com que a direção da escola chamasse a ambulância.
Em Roraima, a Polícia Militar foi acionada porque na escola Estadual Luiz Hitler de Lucena havia muitos jovens em surto. Elizabete da Silva Faria, de 59 anos, merendeira no local, disse que ficou muito assustada com o que viu. “Os alunos fizeram este jogo e depois os vi agitados e nervosos. O que me marcou foram os gritos desesperados de uma jovem que ficou pálida rapidamente e sem sentidos. Logo acionamos a polícia”, relata.
Um dos policiais sugeriu que encaminhassem os jovens até uma igreja. “Foram necessárias cinco viaturas, pois a situação era insustentável. Após percorrerem algumas igrejas, sem sucesso, pois estavam fechadas, encontraram um de nossos templos da Universal”, comenta o pastor Vitor Vicente, responsável pelo trabalho evangelístico da sede Raiar do Sol, no Estado de Roraima.
Lá, os jovens receberam uma oração e ficaram bem. Um tenente que atendeu a ocorrência fez questão de protocolar o que aconteceu e enviar a seguinte mensagem a todos os colegas de profissão: “Solicito ao comando que leve aos policiais conhecimentos espirituais para que, se acontecer algo parecido novamente, todos saibam conduzir a situação da melhor maneira possível. As cenas presenciadas por nós foram chocantes e desesperadoras”, diz o primeiro- tenente Ideraldo Marcondes,.
Ele conta que presenciou um jovem batendo sem parar a cabeça na árvore e outros desmaiando. Assustado com o que aconteceu, o policial deixa um alerta aos pais: “Devemos orientar nossos filhos para que não brinquem com este tipo de ‘coisa’, pois não sabemos as consequências”.
Como os pais devem agir?
É verdade que os pais não conseguem controlar o que os filhos fazem, mas podem orientá-los sobre as consequências de seus atos. Jaqueline de Lima Colucci, de 29 anos, corretora de imóveis, é mãe do pequeno Davi Rodrigo Bizusko, de 10 anos, e sempre procura pedir ao filho para compartilhar tudo o que acontece na escola.
“Há pouco tempo, quando ele chegou em casa, me contou que tinha alguns colegas da escola que estavam fazendo o ‘Desafio do Charlie’ na hora do intervalo e o convidaram para participar. Fiquei muito preocupada”, afirma a mãe.
Ela frequenta a Universal com Davi há cinco anos e buscou ajuda. “Com muita calma o orientei e expliquei que estavam invocando espíritos ruins. Ele ficou espantado e comentou com os amiguinhos na igreja. O curioso é que a maioria disse que nas escolas que frequentam também estão fazendo a brincadeira”, ressalta.
Davi disse que, após a explicação da mãe sobre o jogo e suas consequências, não vai participar. “Os meus amigos perguntam por que eu não quero brincar disso e eu digo que sei que essas coisas são do mal”, afirma.
Para a psicopedagoga Daniela Fany Nogueira Depolli, os pais devem ter uma postura participativa e um diálogo aberto semelhante ao que fez Jaqueline. Dessa forma, a criança e o jovem entenderão por que não devem participar do jogo. “Uma dica é entrar em contato com outros pais e com a direção do colégio e saber qual atitude está sendo tomada para que este jogo seja erradicado do ambiente”, aconselha a especialista. Além disso, ela acrescenta que os pais devem pesquisar sobre o assunto, pois só assim estarão cercados e embasados para argumentar com seus filhos.


Você que já participou: fique atento
Jeniffer Stephanie Maria Mauricio Lisboa, de 22 anos, dona de casa, passou a adolescência participando de jogos que invocavam espíritos e o que era para ser apenas uma brincadeira se tornou um pesadelo na vida da jovem.
“Só podíamos terminar e sair da brincadeira se os espíritos ‘permitissem’”, revela Jeniffer. Ela presenciou cenas macabras. “Em uma das vezes em que brincamos uma colega ficou paralisada, começou a chorar e dizia estar vendo o primo morto na sua frente. Ficamos apavorados”, relembra.
Ela ouvia vozes, via vultos e isso a atormentava muito. “Sentia a presença de espíritos, tinha muito medo do escuro, comecei a me envolver com más amizades e a usar drogas, relatos sobrenaturais me excitavam, passei a ir mal na escola e minha vida virou um inferno”, desabafa a jovem, que, em meio ao desespero, decidiu buscar ajuda na Universal.
Na infância, Jeniffer já havia frequentado a igreja, mas afirma que, por causa desses problemas, retornou. “Decidi sozinha ir à uma palestra sobre libertação. Depois da primeira reunião, senti um alívio grande e não parei mais. Abandonei todos aqueles jogos e hoje sou outra pessoa. Mas isso só aconteceu porque eu tomei uma atitude e sigo com esta fé até hoje”, completa.
Qual é a relação das brincadeiras com a vida espiritual e emocional?
Segundo o especialista em paranormalidade e bispo Guaracy Santos, as pessoas devem ter cuidado. “Estão mexendo em casa de marimbondo e não sabem. Qualquer invocação de espíritos traz resposta imediata. A vida de uma pessoa é abastecida pelo espírito a quem ela invoca, que está no controle da sua mente e com o domínio de cada área da vida dela”, explica o bispo.
Ele comenta o que aconteceu com o elenco do filme de terror Poltergeist, exibido nos anos 80. “Muito pouco tempo depois de passar nos cinemas, uma parte expressiva do elenco morreu tragicamente. Este apetite pelo desconhecido e por previsões do futuro é nocivo e perigoso. Se queremos saber mais de Deus, consultemos a palavra Dele e isto nos basta”, conclui o bispo Guaracy.
Já o psiquiatra com mestrado em ciências da religião Pérsio Ribeiro Gomes de Deus deixa claro que as atividades que envolvem espíritos podem gerar traumas psicológicos, que são danos emocionais que surgem como resposta a uma situação ou um acontecimento. “Entre eles estão o medo, a insônia, as pseudoalucinacões e até os surtos psicóticos e eles podem evoluir para comportamentos obsessivos-compulsivos, fobias, depressão”, alerta.
Por isso, esteja atento a tudo o que você faz porque as consequências podem ser quase irreversíveis. Caso você, seu filho ou filha já tenham participado dessas atividades ou tenham algum dos sintomas citados na matéria, busque orientação espiritual em uma Universal mais próxima de você. Evite o desconhecido, procure estar sempre em sintonia com o que faz bem, busque se aproximar de Deus.
Jogo de marketing
Para muitos veículos vale tudo pela publicidade.
O Desafio Charlie Charlie, que incentiva os jovens a invocarem o “espírito Charlie” é uma estratégia para divulgar um filme de terror americano chamado A Força. A produtora responsável publicou um vídeo na internet explicando como chamar o tal “espírito” e, com isso, milhares de jovens curiosos repetiram essa atitude.

domingo, 21 de junho de 2015

Luta.

 Resultado de imagem para deserto
E levantemo-nos, e subamos a Betel; e ali farei um altar ao Deus que me respondeu no dia da minha angústia, e que foi comigo no caminho que tenho andado. Gênesis 35:3
Quem está na Presença de Deus, que nasceu de Deus, sempre passará por lutas, que em alguns momentos parecem verdadeiras guerras! E que guerras! Matando mais de 50 leões por dia. Mas, não reclamo, entendo que preciso passar por elas para crescer espiritualmente. Quanto maior a luta, maior a vitória, mas, como se preparar para a vitória se ainda não está capacitado espiritualmente? No deserto, lá onde a maioria ou ficou ou fugiu, é que aprendemos e amadurecemos e ficamos preparados para receber a recompensa.

Parece que Deus não ouve, mas, Ele ouve sim. Ele espera que nós venhamos a dar o primeiro passo, Ele espera que venhamos fazer a nossa parte para quando não tivermos mais nada, Ele possa vir e terminar o que começamos. Deus responde as nossas angústias, as nossas orações, as nossas súplicas, mas, a resposta só vem depois que fizermos tudo o que devemos fazer. Deus, através do Senhor Jesus, nos da toda a armadura para usarmos a fé. A cada deserto aprendemos, a cada deserto, saímos mais fortes e experientes, e, com isso, ganhamos as armas capazes de nos fortalecer e derrotar os nossos inimigos, já que, a guerra não é física e sim espiritual.

Todas as vezes que passamos por lutas, oramos mais, jejuamos mais, vamos mais ao Altar cada vez com mais força. Isso também é usar a armadura de Deus. Aqueles que desistiram por causa do 'calor' do deserto se arrependeram de não terem insistido. Deixaram de crescer espiritualmente por causa do desconforto, mas, numa guerra, não temos conforto e nem descanso. Por isso é muito importante nascer de Deus, e isso requer sacrifício e nem todos entendem e poucos se interessam, uma pena. 

Deus responde sim, mas, é no Tempo dEle e não no nosso, querendo tudo pra ontem e não é assim. Deus nos prepara para recebermos o que Ele tem para nos dar. Na vida sentimental é assim. se você não estiver preparado ou preparada para fazer ele ou ela feliz, não encontrará e dará voltas no deserto. Quando ele ou ela estiverem preparados para fazer ele ou ela felizes, depois que passou pelo amadurecimento do deserto e não fugiu, encontrará o rapaz ou a moça que Deus escolheu e não a sua carne. 

É muito melhor fazer a vontade de Deus do que a vontade da carne. Pense nisso.

quinta-feira, 18 de junho de 2015

"Você sabe com quem está falando?"

Será que o verdadeiro líder abusa do poder em benefício próprio?

Um líder precisa ser um modelo de retidão e justiça. Deve ser coerente com os valores que defende e honesto em suas próprias atitudes. O que pensar, então, quando a liderança exercida deixa de ser exemplar e se torna autoritária e arbitrária? Abusar do poder pode parecer um caminho fácil para enfrentar desafios e controlar qualquer situação. Mas, certamente, não é o melhor meio nem o mais inteligente.
O profissional que assume uma posição de liderança ou um cargo relevante possui grandes responsabilidades e, por isso, deve ter aptidão para administrar conflitos e solucionar problemas. Deve ser alguém inspirador – pois a sua postura e as suas atitudes serão reproduzidas por aqueles que o rodeiam – e ser admirado por suas ações. Infelizmente, nem sempre essas ações são admiráveis.
Nas últimas semanas, casos de abuso de poder ganharam destaque na imprensa, principalmente pela forma radical e surpreendente com a qual foram conduzidos. O mais recente deles aconteceu no Maranhão, na cidade de Imperatriz (a 665 quilômetros da capital, São Luís). O juiz Marcelo Testa Baldochi, que estava com viagem marcada para Ribeirão Preto (SP), chegou atrasado ao aeroporto local. O check-in havia terminado quatro minutos antes e Baldochi teve o acesso à aeronave negado. Inconformado, deu voz de prisão em flagrante aos funcionários da companhia aérea.
Será que Baldochi merecia algum tratamento diferenciado pelo simples fato de ser juiz? Diante das regras e do regulamento, coube aos funcionários impedir o acesso ao avião, medida que seria tomada com qualquer outro passageiro. O juiz se excedeu e abusou do poder em benefício próprio e foi criticado pela atitude até mesmo pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB). Na ocasião, a AMB informou que “considera inadmissível qualquer atitude praticada por agentes públicos, magistrados ou não, que represente abuso de poder e autoridade.” No último dia 17, o Tribunal de Justiça do Maranhão decidiu manter o juiz afastado de suas funções até o fim da sindicância, que está sendo realizada pela Corregedoria de Justiça.
Máscara
Baldochi não é o único profissional de cargo relevante que acredita estar acima de qualquer pessoa. Muitos outros fazem o uso da frase “você sabe com quem está falando?” quando é conveniente e se acham no direito de usar a influência que possuem para satisfazer interesses particulares. A superioridade parece até uma máscara usada para disfarçar a incapacidade de assumir os próprios erros. Ou melhor, assumir as consequências das próprias atitudes.
Quem acha que tem o poder total nas mãos acredita que pode fazer o que bem entende e tirar vantagem das situações enfrentadas. São pessoas que burlam as leis para se livrar de problemas, quebram regras ou são privilegiados em situações em que outros não teriam nenhum tipo de vantagem. Em vez de usar a autoridade em prol da sociedade, abusam do poder em benefício próprio. Não é preciso passar por cima de regras e valores para permanecer no comando da situação. Para conquistar respeito, é preciso, antes de tudo, respeitar.

domingo, 14 de junho de 2015

6 atitudes para mudar a sua vida amorosa da água para o vinho.

Lições preciosas para casados e solteiros terem o relacionamento dos sonhos.


O primeiro milagre que o Senhor Jesus realizou foi em um casamento. A Bíblia relata que durante as bodas em Caná da Galileia, o vinho acabou e Jesus pediu que enchessem talhas com água e a transformou em vinho – por sinal o melhor experimentado em toda a celebração.
O bispo Renato Cardoso e sua esposa, Cristiane Cardoso, mostraram, durante a Terapia do Amor no Templo de Salomão, que o primeiro milagre de Jesus tem muito a nos ensinar, e que dele podemos extrair 6 atitudes que, se tomadas, podem transformar a vida amorosa de qualquer pessoa da “água para o vinho”. 
  1. Transformação interior
O primeiro e maior milagre que deve acontecer em sua vida amorosa é a sua transformação interior. Transformar a água em vinho foi algo estrutural. O maior problema dos relacionamentos está na facilidade que casados e solteiros têm de enxergar o erro alheio, ignorando os seus próprios erros e, com isso, impedindo que o casal seja abençoado. Busque antes de tudo a sua própria mudança. 
      2. Saiba a hora certa de agir e aproveite as oportunidades
Deus tem hora para tudo, e muitos confundem a “hora”. Ou se apressam e fazem antes do tempo ou fazem tarde demais. E se saber esperar o momento certo é uma virtude, adaptar-se ao momento sabendo aproveitar as oportunidades, também é. Quando Maria avisou ao Senhor Jesus que o vinho tinha acabado, olha o que Ele respondeu para ela:
"Mas Jesus lhe disse: Mulher, que tenho eu contigo? Ainda não é chegada a minha hora."João 2.4
Se o Senhor Jesus falou que ainda não era chegada a hora, porque então Ele foi lá e fez o milagre? A resposta é simples: Ele aproveitou a oportunidade. Não era a hora, mas a ocasião pedia. Isso exige de nós sensibilidade. 
  1. Mude a sua maneira de pensar
 Se os seus pensamentos não mudam, sua vida sentimental não muda. Os problemas falam muito sobre quem a gente é e sobre o que estamos fazendo de errado. Podemos extrair dos problemas a solução. Mas isso só será possível se escolhermos ter a mente de Deus. 
  1. Eleve seus padrões
Padrão significa um modelo oficial de medida. Menos que aquele modelo não é aceitável. Qual tem sido o seu padrão? Qual é o seu mínimo aceitável? Você recebe na sua vida aquilo que você tem aceitado. Isso quer dizer que se você tem tido uma vida amorosa frustrante, não é ninguém que está impondo isso, mas você quem tem aceitado de "bom grado". Você determina o mínimo aceitável. Aquilo que você aceita é aquilo que você vai ter. Na maioria das vezes, as pessoas aceitam qualquer coisa com medo de perder aquilo que têm. Uma das primeiras regras para se elevar o padrão é perder o medo de perder. 
  1. Aja para que Deus reaja
22Se Deus é Todo Poderoso, por que o milagre na sua vida amorosa ainda não aconteceu? Desde que criou o homem, nunca mais Deus trabalhou sozinho em milagres. Devemos fazer alguma coisa que expresse essa mudança. Essa será a "talha com água" que Deus irá usar para executar o milagre. Deus não espera algo que a gente não tenha ou não possa fazer. Ele sempre irá pedir algo que nós temos. Por exemplo, talha não era lugar de vinho, mas era o que tinha, e Deus usa o que tem. Então, os servos foram lá e encheram as talhas de água e pronto, o milagre aconteceu. Você dá a Deus algo pra Ele usar e fazer o que você não pode fazer. Deus sempre precisa de alguma atitude nossa pra poder gerar a reação. 
  1. Vença o medo 
 "No amor não há temor, antes o perfeito amor lança fora o temor; porque o temor tem consigo a pena, e o que teme não é perfeito em amor." 1 João 4.18
O amor deve sempre caminhar de mãos dadas com a fé. Porém, o oposto da fé é o medo. Amor com medo é um amor sem fé. Isso é o amor imperfeito, que só gera problemas, porque você não vai só sentir medo, mas vai começar a agir por causa dele. Ciúmes é fruto de um amor com medo, o amor imperfeito. O amor perfeito é o amor sem medo, o amor com fé. E fé se alimenta com a obediência e a confiança na Palavra de Deus.
Para aprender mais lições preciosas que irão revolucionar a sua vida amorosa, participe, todas as quintas-feiras, da Terapia do Amor no Templo de Salomão, às 10h e 20h, na Avenida Celso Garcia, 605, Brás. Ou em uma Universal mais próxima de você. Saiba o endereço emhttp://universal.org/enderecos/.
Se você precisa, neste momento, de uma orientação, fale agora mesmo com um pastor ou bispo acessando http://universal.org/pastoronline/.

quinta-feira, 11 de junho de 2015

Estado civil: ainda solteiro.

O que falta para você ser abençoado na vida amorosa?


Mais solteiros no “mercado”. É isso o que mostra a última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2013. Enquanto muitos acham que faltam pretendes, a pesquisa revela uma contradição: no ano passado, havia 2,7 milhões de solteiros a mais no Brasil que em 2012. Atualmente, são 77 milhões de solteiros no País (considerando a população acima de 15 anos).
Em boa parte dos casos são pessoas dinâmicas, bem-sucedidas profissionalmente e sempre antenadas com relação à aparência. Sabem articular sobre as últimas tendências do mercado financeiro, discutem muito bem política e são capazes até de dar uma previsão econômica para um país. Mas quando o assunto é vida amorosa, não conseguem entender por que, até hoje, estão solteiras. Se acham bons partidos, mas a impressão que dá é que só eles acham.
No afã de não ficarem sozinhos, muitos acabam se envolvendo em relacionamentos que só trazem problemas e traumas.
O ano ainda não acabou
Quantas vezes você já achou que perdeu tempo em algum relacionamento e que sua vida amorosa está atrasada? Uma oportunidade que desperdiçou, um erro que cometeu, uma decisão errada e agora você olha e pensa: "Já era para eu estar lá na frente!" Sim, mas você não está, e agora? Vai ficar aí só se lamentando?
Há quem se pergunte o que fazer, alegando já ter feito de tudo para atrair um par ou já ter procurado em todos os lugares, sem sucesso.
Muitos já devem estar até mesmo protelando a vida amorosa para a lista de pedidos de 2015. Mas o ano ainda não acabou. Assim, o que você espera que aconteça em sua vida amorosa ainda este ano e o que precisa fazer para que isso se realize?
Na Terapia do Amor desta quinta-feira, os solteiros terão a resposta. Saiba mais sobre as palestras acessando http://www.universal.org/terapiadoamor/. Não deixe de participar!